‘Avó não foi feita para cuidar de neto’ diz aposentada

A vida pós-aposentadoria de Jô, como é conhecida, é bem diferente daquela que ela levava, quando trabalhava como assistente social no sistema prisional.

A vida pós-aposentadoria de Jô, como é conhecida, é bem diferente daquela que ela levava até 2016, quando trabalhava como assistente social no sistema prisional do Ceará e vivia uma rotina de ameaças, por causa de sua atuação na defesa de mulheres transexuais.

Divorciada após um relacionamento conturbado, mãe de três filhos e avó de um neto, resolveu se desfazer de casa, móveis e roupas. Tudo o que tem agora cabe dentro de uma bagagem.

“Minha cabeça era um entulho biográfico dos outros”, relembra sobre seu trabalho de ouvir relatos e dar suporte a detentos, familiares e funcionários dos presídios. “Eu brinco e digo que resolvi me autocondenar à liberdade e escrever minha própria história”.

Em 2016, assim que se aposentou, a cearense comunicou à família que planejava deixar Fortaleza para se dedicar ao seu sonho. O resultado da aventura são quase 40 países visitados, divididos entre duas temporadas, uma na Europa e outra entre África e Ásia.

Fonte: https://www.bbc.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Clique Aqui!
Inscreva-se aqui!
Inscreva-se para as Atividades Gratuitas!