Gengibre Faz Mal? Pressão Alta? Coração?

O gengibre é uma das ervas mais populares na natureza, muito utilizado como medicamento ou como ingrediente em diversas receitas diferentes.

O gengibre (zingiber officinale) é uma das ervas mais populares na natureza, muito utilizado como medicamento ou como ingrediente em diversas receitas diferentes. Isso porque o gengibre, além de um sabor marcante, possui propriedades surpreendentes. Porém, é uma raiz que pode ser perigosa para algumas pessoas se consumida sem cuidado, sendo fundamental saber se o gengibre faz mal antes de usar o ingrediente em suas receitas.

Apesar do gengibre ser anti-inflamatório, termogênico, analgésico e cardiotônico e trazer diversos benefícios à saúde devido às essas suas propriedades, algumas pessoas podem ter certas condições que não permitem o seu consumo diário ou em grandes quantidades, por diferentes motivos.

Sendo assim, mesmo capaz de ajudar na digestão, facilitar o emagrecimento, turbinar a queima de gordura corporal, acelerar o metabolismo, evitar celulite, aliviar náuseas, atuar na prevenção de doenças ao aumentar a imunidade, entre outros benefícios, o gengibre exige precaução e moderação.

Por isso, entenda em quais situações o gengibre faz mal, quando poderá se tornar um risco no caso de um consumo exagerado, e saiba como utilizá-lo de forma adequada ou quando evitá-lo antes de incluí-lo no seu cardápio.

O gengibre faz mal mas tem muitos benefícios.

Antes de saber se gengibre faz mal, vamos conhecer todos os seus benefícios. O organismo pode se beneficiar de diversas formas com o consumo do gengibre em sua dieta ou como medicamento em certas ocasiões.

Ele é tão versátil que pode ser capaz de promover sabores inigualáveis aos alimentos, como curar uma simples dor de estômago ou até ajudar a prevenir o câncer ou auxiliar no seu tratamento matando células cancerígenas.

O gengibre tem sido utilizado há centenas de anos como medicamento, principalmente na Ásia, e hoje pelo mundo afora, se tornando um dos remédios naturais mais populares.

Composto de nutrientes como potássio, fibras, proteínas, cálcio, vitamina B6, vitamina C, ferro e magnésio, ele tem efeitos anti-inflamatórios, favorece os sistemas imunológico, digestivo, respiratório e circulatório, alivia problemas gastrointestinais, alivia náuseas e vômitos durante a gravidez e combate cólicas menstruais, o mau hálito e até mesmo a ressaca.

Seus benefícios podem ser obtidos através do consumo “in natura” ou em pó, como condimento nos alimentos, em forma de chá ou até mesmo suplemento. No entanto, o gengibre faz mal por ser muito forte e por isso, não é recomendado a todos, devendo ser usado com moderação ou até ser evitado devido aos seus efeitos colaterais se usado em excesso.

Náuseas, má digestão e gases:

Mastigue pequenos pedaços de gengibre após as refeições ou tome uma infusão de gengibre (receita ao final do artigo) para evitar esses desconfortos, mas não exagere na quantidade de gengibre, pois ele amortece e anestesia a garganta, provoca rouquidão e paralisa as cordas vocais.

Você pode acrescentar de 2 a 3 g de gengibre em pó aos alimentos, porém tenha cuidado caso seja insulino-dependente. Consulte o seu médico antes.

Dores musculares, articulares e menstruais:

Seu consumo diário pode ajudar devido suas propriedades anti-inflamatórias mais eficazes que ibuprofeno ou similar.

Resfriados, gripes e dor de garganta:

A solução de gengibre, limão e mel diluída em água ou mastigar suas lascas podem aliviar os sintomas, pelas propriedades anestésicas e anti-inflamatórias com ação direta na imunidade.

Ajuda no emagrecimento:

Estimula a produção de enzimas do fígado e elimina toxinas, promovendo a sensação de saciedade e evitando comer em excesso. Além disso, acelera o metabolismo ajudando a queimar as calorias com sua ação termogênica.

Combate a celulite:

Sua ação anti-inflamatória ajuda a evitar as inflamações que causam a celulite.

Evita doenças:

Sua ação anti-inflamatória ajuda a curar várias doenças de caráter inflamatório, além de evitar doenças cardiovasculares, diabetes entre outras.

Aumenta a libido:

Estimula a lubrificação feminina e prolonga a função erétil devido a sua ação estimulante no sangue.

Riscos do gengibre e quando faz mal

O gengibre faz mal quando consumido em excesso.

Como já dissemos, o consumo do gengibre deve ser moderado e seguir algumas precauções para que ele não cause efeitos adversos ou algo mais sério em algumas situações.

Segundo nutricionistas, o gengibre faz mal quando consumido em excesso, podendo causar desconforto estomacal, azia, reações intestinais ou de pele, provocar gases e dificultar a digestão.

No entanto, pode haver riscos no caso de quem possui problemas mais graves ou se encontra em certas situações, pois alguns medicamentos reagem mal ao gengibre. Como por exemplo, remédios para controle de diabetes, problemas de coagulação do sangue e hipertensão.

Sendo assim, o gengibre faz mal para os grupos de risco se encaixam nas seguintes situações abaixo:

1. Gengibre faz mal para quem tem problemas de coagulação sanguínea

Não se sabe a razão, mas uma das propriedades do gengibre é a capacidade de interagir com o sangue, deixando-o bem mais fino. Assim, quem faz tratamento médico com medicamentos para evitar coagulação sanguínea ou tem problemas de sangramento deve evitar o gengibre ou consultar um profissional antes de consumir gengibre, pois ele modificar os efeitos dos remédios.

2. Gengibre faz mal para quem tem diabetes

Um dos benefícios do gengibre é diminuir o alto nível de açúcar no sangue, inclusive muitos diabéticos fazem uso dele para tratar a doença sem medicação.

No entanto, diabéticos que tomam medicamentos para controlar a doença, como injeção de insulina, devem ser cuidadosos para não afetar a medicação. Neste caso, é necessário consultar o médico sobre a quantidade adequada de gengibre para consumo para evitar diminuir muito o nível de açúcar no sangue.

3. Gengibre faz mal para quem possui hipertensão

Pessoas que sofrem de hipertensão ou pressão alta não podem consumir gengibre. Isso porque o gengibre acelera o metabolismo e aumenta a vasodilatação com sua ação termogênica, podendo descontrolar a pressão arterial e ser muito perigoso.

Quando misturados ao gengibre, os medicamentos para controlar hipertensão podem causar problemas na frequência cardíaca e diminuir muito a pressão sanguínea, causando, dentre outros problemas, a arritmia.

Porém, há quem argumente que a ação termogênica do gengibre está mais relacionada ao metabolismo e não à pressão arterial, não representando maiores riscos para pessoas com pressão alta ou baixa.

Sendo assim, é essencial consultar um médico sobre a quantidade de gengibre a ser consumida ou evitada, a fim de fazer ajustes necessários na dosagem dos medicamentos.

4. Gengibre faz mal para quem tem problemas renais e cálculos biliares

Quem tem problema renal deve evitar consumir gengibre por conta do potássio, que não é excretado em quantidades suficientes, levando a altas concentrações no organismo prejudiciais à saúde.

Da mesma forma, quem tem propensão a desenvolver cálculos biliares pode piorar a situação com o seu consumo. O gengibre costuma aumentar a produção de bile armazenada na vesícula biliar onde os cálculos são formados.

Uma certa quantidade de bile é necessária para dissolver a gordura localizada nos intestinos, mas em grandes quantidades esses cálculos podem passar pelo ducto biliar, fazendo com a que a bile “retorne” ao fígado, aumentando a ocorrência de bloqueios no cálculo biliar e provocando problemas graves.

No entanto, alguns médicos acreditam que essa bile adicional provocada pelo gengibre melhora o problema com os cálculos biliares, ao invés de agravá-lo. Assim, o ideal é consultar um médico.

5. Gengibre faz mal para quem está grávida

Apesar de não haver comprovações sobre o efeito dos alimentos em gestantes, o gengibre é conhecido por reduzir as náuseas e vômitos comuns no início da gravidez.

No entanto, alguns médicos acreditam que o gengibre pode ter efeito abortivo, principalmente nos três primeiros meses de desenvolvimento do feto. Além disso, ele pode afetar os hormônios sexuais do feto.

Já vimos também que o gengibre costuma aumentar a pressão arterial, que pode levar ao desenvolvimento de eclampsia na gravidez e aumentar o risco de hemorragia.

Como não há evidências absolutas da sua ação em gestantes, o ideal é consultar um médico e consumí-lo com cautela. Já durante a amamentação, ele pode interferir no gosto do leite materno.

Qual o consumo seguro do gengibre

Gengibre faz mal quando não consumido de forma adequada.
Gengibre faz mal quando não consumido de forma adequada.

O gengibre faz mal e pode ser perigoso para os grupos de risco nas situações descritas acima, mas como muitos alimentos, se consumido em excesso pode prejudicar até quem está saudável.

No caso do consumo exagerado de água com gengibre, suas propriedades diuréticas aumentam a quantidade de urina, fazendo com que o organismo elimine mais minerais que o necessário.

A quantidade diária recomendada de gengibre é de até 10 g de raiz fresca (2 pedaços de cerca de 3 cm), o equivalente a duas colheres de chá do gengibre ralado ou a metade desta quantidade (cerca de 4 gramas), se for em pó, pois é bem mais concentrado. Já as gestantes não podem exceder 1 g por dia.

Fonte: https://www.aterceiraidade.net

6 thoughts on “Gengibre Faz Mal? Pressão Alta? Coração?

  1. Tenho pressão alta a mais de 25 anos, sentia dor no peito falta de ar, devido o medicamento que tomo propanolol 40+25 de gidroclorotiazida, reduzia muito as batidas cardíacas, 12/8 de pressão 54 batidas por minuto me dava falta de ar e uma dorzinha muito incômoda no coração como se estivesse uma mão espremendo o coração
    Depois que comesei tomar o chá de gengibre, nunca mais senti o incômodo indesejado.
    Tomo 3cm de gengibre em 11/2 de água, todos os dias, estou feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Clique Aqui!
Inscreva-se aqui!
Inscreva-se para as Atividades Gratuitas!